É SEMPRE BOM LEMBRAR QUE UM COPO VAZIO ESTÁ CHEIO DE AR*









3.2.14

Para Além da Memória (letra de um reggae ainda em construção)

Um reggae sem título que me surgiu hoje depois de assistir a Ironweed (não que tenha qualquer relação com o filme, pois não a tem). Aproveita-se, Gonzaga? . [ refrão/ [ para além da memória vou levantar/ minha morada e minha esperança/ 1. [ me disseram que estão se esgotando as possibilidades de amor/ e que em um coração crescido a vítima é sempre passageira/ me disseram que o melhor da vida é descobrir tudo que a destrói/ e que em todas batalhas perdidas o mais importante é uma companheira/ 2. [ ao teu lado viajaram juntas a morte e a vida de um pecador/ que desesperadamente fugiram à ausência da família inteira/ ao teu lado eu busquei as verdades mais delicadas de um poema/ quanto todos imaginavam o mesmo passado e os mesmos problemas/ [ refrão/ [ para além da memória vou levantar/ o meu amor e a minha morada/ 3. [ não guerreei em tua pátria mas me fiz irmão de suas revoluções/ foram tantas mulheres e ideias que antes de você já me assassinaram/ as palavras que atirei nas ruas foram todas levadas pelos camburões/ somente a que guardo no bolso ficou pra lembrar os gritos que ecoaram/ 4. [ não confunda o calor do meu peito com o que sobrevive ao frio do coração/ é nos dedos cansados de medo e num pente carregado que eu trago o teu dia/ me disseram que a noite não irá suportar a saudade de um homem liberto/ ficarão as lembranças de um lugar deserto qual flor que brotou numa espera tardia/ [ refrão/ [ para além da memória vou levantar/ o meu amor e a minha morada/ Guilherme Bastos L 03-02-2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário